Refluxo esofágico: causas, sintomas e tratamentos


O refluxo esofágico é uma doença digestiva na qual os ácidos contidos no estômago retornam pelo esôfago, invés de seguirem o fluxo normal do processo de digestão. Essa condição é incômoda e prejudicial para a saúde, pois irrita os tecidos esofágicos e causa sintomas muito desagradáveis.

Segundo pesquisas recentes, o refluxo é um problema bastante comum, que afeta mais de 2 milhões de brasileiros todos os anos. A boa notícia é que tal doença é plenamente tratável. Confira a seguir quais são as principais causas, sintomas e tratamentos para o refluxo esofágico.


Quais são as causas do refluxo?

Para entender as causas do refluxo esofágico, é importante, antes, conhecer o funcionamento digestivo. Pois bem, quando uma pessoa come e bebe, os alimentos passam da garganta para o estômago por meio do esôfago. Quando a comida chega ao estômago, um anel de fibras musculares (esfíncter esofágico inferior) impede que o alimento vá para trás, na direção do esôfago. Porém, se esse anel não se fechar adequadamente, tudo que o indivíduo bebeu e comeu pode vazar e retornar para o esôfago, dando origem à doença do refluxo esofágico.

Tal condição é mais comum em obesos, grávidas, pacientes com hérnia de hiato, fumantes, indivíduos com diabetes e pessoas com asma. Além disso, o problema pode estar associado a quadros de ressecamento bucal, deficiência de magnésio, uso de alguns medicamentos, atraso no esvaziamento estomacal e distúrbios do tecido conjuntivo. Cumpre ressaltar que o consumo excessivo de chocolate, frituras, alimentos picantes, açúcar, bebidas gaseificadas, café e bebidas alcoólicas também contribui para o aparecimento ou agravamento do refluxo do refluxo esofágico.


E os sintomas da doença?

O refluxo esofágico pode gerar sintomas como dor no peito, azia, dificuldade para engolir, rouquidão, tosse seca, dor e inchaço na garganta, gosto amargo na boca, irritação, sensibilidade e sangramento na gengiva, arrotos involuntários, má digestão, fezes escurecidas, perda de peso náuseas e vômito.

Muitas vezes, os sintomas se manifestam ou se intensificam depois das refeições ou à noite, o que compromete a manutenção do sono de qualidade.


Como tratar o refluxo esofágico?

O início do tratamento consiste no uso de medicamentos antiácidos e implementação de mudanças na alimentação. No entanto, se após essas medidas, os sintomas não melhorarem, a cirurgia para refluxo é recomendada. A operação impede complicações como úlceras e danos graves na parte inferior do tubo responsável por ligar a boca e o estômago (Doença de Esôfago de Barret).

O procedimento cirúrgico é minimamente invasivo, feito com anestesia geral, através de videolaparoscopia. Ele dura, em média, duas horas e, no decorrer do processo, o cirurgião corrige o refluxo construindo um novo esficter esofágico colocando parte do estômago ao redor do esôfago. A alta hospitalar é rápida e cuidados alimentares específicos devem ser adotados no pós-cirúrgico para garantir a recuperação satisfatória do paciente.

Quer saber mais sobre refluxo esofágico? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto.

© 2019 - Todos os direitos reservados

CRM - SP 138204