Qual a importância do acompanhamento nutricional após a cirurgia bariátrica?




Como a cirurgia bariátrica é um procedimento que interfere diretamente no estômago, o acompanhamento nutricional é de suma importância. Ele deve ser feito tanto no pós-operatório, nos meses subsequentes e, também, para a manutenção do peso.

A obesidade é um problema cada vez mais presente em todo mundo. No Brasil, a última pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde apontou que o número de pessoas obesas no país passou de 11,8% em 2006 para 19,8% em 2018. Uma das formas de tratar a obesidade é a cirurgia bariátrica.

Assim como o número de obesos, a quantidade desse tipo de procedimento também aumentou nos últimos anos. Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), o número de bariátricas aumentou 46,7%. O crescente dado fez com que o país se tornasse o segundo do mundo nesse tipo de cirurgia.

O que é a cirurgia bariátrica?

A cirurgia bariátrica é um procedimento cirúrgico de redução de estômago, que visa na diminuição do peso do paciente. Ela é utilizada em casos de obesidade associada a complicações na saúde, em doenças como diabetes e hipertensão. Apesar de ter se tornado bastante popular, a bariátrica é uma cirurgia delicada e, para esse tipo de procedimento, a anestesia requer um cuidado especial.

Para quem ela é indicada?

A cirurgia de redução de estômago é indicada para pessoas que possuem o IMC maior ou igual a 40. Quando o indivíduo possui duas ou mais complicações relacionadas à obesidade, o procedimento só é recomendado quando o índice de massa corporal for entre 35 e 40. Pacientes que sofrem de doenças relacionadas ao excesso de peso como diabetes, hipertensão, hérnias de disco, refluxo com indicação cirúrgica, pancreatites agudas de repetição, também devem passar pelo procedimento.

Qual a importância do acompanhamento nutricional após a cirurgia bariátrica?

Já que a cirurgia bariátrica trabalha a redução do estômago, é normal que ocorram deficiências nutricionais. Isso acontece porque, como o estômago torna-se menor, a ingestão de alimentos diminui drasticamente. Com isso, há, também, uma diminuição na absorção dos nutrientes.

Um dos guias de acompanhamento nutricional é baseado na pirâmide da bariátrica. Nela, o uso de suplementos alimentares, ingestão de água, chás claros e a prática de atividade física, compõe a base. Além disso, a pirâmide evidencia o consumo de proteínas ricas em ferro e cálcio, seguido de vitaminas e minerais derivados de frutas e vegetais. O consumo de carboidrato deve ser moderado, dando preferência aos integrais. Além disso bebidas gaseificadas e alcoólicas, doces e gordura devem ser evitados.

A dieta normal começa cerca de um mês após a cirurgia. A escolha de alimentos nutritivos é essencial, uma vez que o consumo ainda é realizado em pequenas porções.

É importante ressaltar que o acompanhamento deve ser feito não apenas após a cirurgia. No pré-operatório é preciso identificar e tratar as deficiências nutricionais para minimizar o risco cirúrgico. Para isso, são realizadas avaliações antropométricas, bioquímicas e dietéticas com o objetivo de planejar um programa alimentar de baixa caloria em pré-operatório visando, dessa maneira, reduzir a gordura hepática e abdominal.

Em vista disso, o acompanhamento nutricional deve ser realizado para que os níveis dos nutrientes mantenham-se conforme as necessidades do corpo humano. Deficiências nutricionais podem ser comuns e gerar um déficit de  proteína, ferro, zinco, cálcio, vitamina D e vitaminas do complexo B.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter. Ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto.

© 2019 - Todos os direitos reservados

CRM - SP 138204