Cirurgia Bariátrica: quem pode fazer?




A cirurgia bariátrica é o procedimento que reduz o estômago de indivíduos com obesidade. Ela se tornou popular por devolver saúde e qualidade de vida para pessoas que têm o bem-estar comprometido pelo excesso de peso, motivado pelos mais variados fatores.

No entanto, é preciso saber que nem todas as pessoas podem se submeter à bariátrica. Diferente de uma cirurgia plástica, por exemplo, nesse caso, os critérios são mais rigorosos para definir quem pode passar pelo procedimento, conforme se verá a seguir.


IMC

IMC é a sigla para Índice de Massa Corpórea, um índice que avalia o peso do indivíduo em relação à sua altura. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cirurgia bariátrica é indicada para indivíduos que estejam com IMC igual ou superior a 35 kg/m², considerado obesidade severa de grau II, e que sofram de problemas associados ao excesso de peso.

A cirurgia também é uma possibilidade para quem apresenta IMC acima de 40 kg/m², independentemente de outras doenças associadas, e que já tenha tentado, sem sucesso, outros tratamentos para perder peso durante dois anos. Incluindo o uso de medicamentos sob prescrição médica.


Idade

Outra recomendação da OMS diz respeito à idade. Em geral, a cirurgia bariátrica só é indicada depois dos 16 anos de idade. Um adolescente só deve se submeter a essa operação em um caso  extremo, em que seu IMC esteja acima de 40 Kg/m² e esteja com doenças relacionadas ao peso.

Não há um limite de idade para a realização da cirurgia, mas é preciso ter em mente que, quanto mais idade, maiores são os riscos de complicações.


Esgotamento de outros métodos

Antes de realizar um procedimento invasivo como esse, a melhor alternativa é procurar todos os métodos de emagrecimento possíveis, como a dieta balanceada, acompanhamento nutricional e a prática regular de atividades físicas. O uso de medicamentos também é uma possibilidade, desde que haja orientação médica.

É preciso identificar, por meio de exames, se existe alguma razão impeditiva à perda de peso. Algumas pessoas não conseguem emagrecer por disfunções hormonais, por exemplo. Nesse caso, além da mudança de hábitos, é imprescindível tratar a raiz do problema.

Se todas as opções se esgotarem sem se atingirem os resultados esperados, a cirurgia bariátrica passa a ser considerada.


Doenças associadas à obesidade

Para que a cirurgia seja aprovada, também se espera que o paciente tenha doenças vinculadas ao excesso de peso, como apneia do sono grave, diabetes tipo 2 e hipertensão arterial.

Apenas uma equipe médica multidisciplinar pode afirmar que um indivíduo é ou não apto a passar pela cirurgia bariátrica. Todo o seu histórico é avaliado, desde a relação com a balança até problemas existentes que possam trazer complicações. Cada caso é único e precisa de avaliação individual.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto.

© 2019 - Todos os direitos reservados

CRM - SP 138204